Páginas

24.10.12

Malas Prontas


Fechei a porta sem ao menos olhar para trás, segurei minhas malas e pensei. Pensei no que estava prestes a fazer e naquele instante eu não vacilei. Ergui minha cabeça e segui pelo corredor do nono andar, o corredor que levava ao apartamento 94. Esse tal apartamento... foi nele em que tudo começou. Um dia de chuva, uma garota correndo, um garoto correndo, nós nos esbarramos e você percebendo meu desespero me ofereceu abrigo, eu, é claro, não recusei. Por um momento fiquei hipnotizada pelo preto vibrante que havia em seus olhos e me encantei pelo liso escorrido do seu cabelo que descia pelos ombros...
20 meses se passaram e eu já não vejo mais tanto mistério em seus olhos, você cortou o cabelo, o cheiro de cigarro impregnado em sua roupa passou a me incomodar, suas brincadeiras não são mais tão engraçadas, quando bebe fica chato e sinto que cada gesto seu me irrita, e o estranho é que eu sei que ainda te amo. Mas esse amor anda me fazendo mal, e a você também!

Lembrei-me daquele dia de chuva, soube de todos os seus segredos em apenas uma tarde, descobri que seu beijo foi o mais doce que eu já havia recebido na vida. Lembrei-me dos sonhos, ambos queríamos salvar vidas, fazer a diferença, e o que foi que fizemos? Estacionamos-nos em nossa própria ignorância em troca de caricias de amor. Foi ou não foi? Você terminou a faculdade? Eu comecei meu estágio? Não!
Fique tranquilo. Minha mãe não tem nada a ver com isso e meu pai não ameaçou sua vida, sempre soube que eles não gostavam de você, mas eu percebi sozinha que desistimos de coisas de mais para ficarmos juntos, e isso para mim não é amor. Não precisamos abrir mão de sonhos, nós temos é que construí-los ao lado de alguém.
Peço-te sinceras desculpas por sair assim, sem ao menos te dar uma explicação, mas você sabe que odeio despedidas, principalmente quando a pessoa de quem me despeço é também a que mais amo.
Deixei meus passos seguirem pelo corredor amarelo escuro, esperei o elevador e enquanto eu descia você subia sem saber que eu não estaria mais ali. Opostos... Sempre opostos. Não me permiti olhar para trás, sabia que a dor seria maior. Olhei para a frente e segui.
Ao virar a esquina do prédio encontrei uma amiga, para tentar ajudar ela disse:
- Eu nunca soube o que você viu nele, ele não faz seu estilo.
A resposta saiu tão impulsiva e certa por entre meus lábios:
- Foi justamente por isso que me apaixonei.

Mas já está na hora de partir- disse para mim mesma!







2 comentários:

  1. A gente custa a acreditar, mas a verdade é que as coisas não duram pra sempre. E por muitas vezes, o amor não é suficiente para manter um relacionamento. Por mais que a gente ama, sabe que não dá mais. Os objetivos são diferentes, os sonhos e os pensamentos mudaram... é triste, mas é a realidade da vida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade Amanda, vivo dizendo por ai que amor não é tudo em um relacionamento, há muito mais no amor que o próprio amor em si!

      Excluir