Páginas

5.2.13

Foi Real Nos Meus Sonhos


Conversas diretas que cutucam feridas machucam, mas quando as pessoas falam aleatoriamente e a carapuça serve dói ainda mais. Foi um dia comum... Mais uma aula, mais um professor novo e mais lição de moral. Não foi pra mim e eu sei disso, mas vesti o que ouvi e minha cabeça ferveu a tal ponto que não segurei as lágrimas e as deixei rolarem ali mesmo, no meio de todo mundo. Ouvi que quando as coisas acontecem com pessoas que estão  distantes nós não sentimos, sequer somos capazes de imaginar a dor ou a alegria, achamos que sentimos, mas não. Espera! É justamente isso, nós imaginamos. É nossa imaginação tomando conta dos nossos sentimentos sem pedir licença. 

Doeu saber que tudo o que eu senti, ou supostamente sentia, era projetado pela minha cabeça. O sentimento vivido, os abraços imaginados, as conversas, as lágrimas após cada despedida. Eu jurava que tudo havia sido real, jurava que por mais longe que estivéssemos nossos corações seriam capazes de se achegarem perto um do outro e se amarem da mesma forma como outros dois que estão lado a lado. Mas pelo visto não foi assim. Foram somente sonhos, desejos, vontades de se ter aquilo que é inalcançável, inacessível... E quando a imaginação faz parceria com a vontade ela nos engana, nos trai, nos faz trair a nós mesmos e aos nossos sentimentos. Você disse que me amava. Eu disse que te amava. Mas como seria se estivéssemos juntos de modo real? 

A verdade é que doeu, só eu sei como. Mas também é verdade que pode ter doído por eu ter me dado conta, mesmo sem saber, que dali em diante a vida seguiria seu curso e eu não teria mais uma válvula de escape, não teria mais você e minhas fugas para um mundo projetado por mim e pelas minhas vontades. Talvez tenha sido por isso. Talvez tenha sido porque quando o adeus definitivo foi dito nossos corações temeram a realidade, temeram seguir por novos caminhos, por caminhos reais.

Agora me diz, você foi realmente feliz? Ou você imaginou que estava sendo? Acredite! Eu me fiz essa pergunta. Eu sei a resposta. Juro que a melhor saída seria dizer sim, eu era feliz, mas o ser humano costuma escolher o caminho mais fácil e não o certo, e por costume nós acabamos fazendo isso também. Porém chegou o dia de olhar para trás e admitir algumas coisas. Meu sentimento foi real nos meus sonhos e verdadeiro em minha ingenuidade, mas talvez tenha sido isso, e só! Não preciso te dizer que a realidade tomou conta de mim, também não preciso te dizer o motivo da confusão mental e das lágrimas... Elas rolaram porque eu sabia que o que estava ouvindo naquele momento era a mais pura verdade...


8 comentários:

  1. Perfeita reflexão. As vezes a verdade dói muito, mas é bastante preciso, pois continua sendo verdade.

    Amei o blog e claro, já estou te seguindo! =)

    Um beijo, Luuh C.
    http://luuhkawaii.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Lu, e é a verdade dói, mas acho melhor que doa a continuar vivendo na mentira...

      Excluir
  2. Oi Linda! Eu acabei de conhecer o seu blog e amei aqui! É tudo uma fofura *_* Já estou seguindo aqui!
    Você gosta de Make?
    Ta rolando um sorteio bem legais lá no blog! Vem Participar!
    http://blogdajuhreis.blogspot.com.br/2013/01/parceria-l-shop-sorteio-para-comemorar.html

    Fique com Deus! Beijinhos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigadaa! Amo make haha! Vou dar uma olhada!
      Beijoos :D

      Excluir
  3. "Mas também é verdade que pode ter doído por eu ter me dado conta, mesmo sem saber, que dali em diante a vida seguiria seu curso e eu não teria mais uma válvula de escape, não teria mais você e minhas fugas para um mundo projetado por mim e pelas minhas vontades. Talvez tenha sido por isso. Talvez tenha sido porque quando o adeus definitivo foi dito nossos corações temeram a realidade, temeram seguir por novos caminhos, por caminhos reais." Nossa, adorei!

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Adorei a reflexão, Ana.

    Beijos, Romário.
    www.naomeentendamal.com.br

    ResponderExcluir