Páginas

27.2.13

Sobre saudade e decisões

O pior erro que o ser humano pode cometer é mentir para si mesmo. Esse foi o meu erro! Eu olhei para dentro de mim e mesmo vendo tudo socado, revirado e aberto abri a boca e repeti a tão famosa frase "eu estou bem", e acreditei nisso até hoje, até eu me deparar com um garoto de olhos verdes, voz rouca, de blusa xadrez e tênis da coca, até eu me deparar com uma pessoa totalmente igual a você... Foi impossível controlar as lágrimas, então deixei que elas viessem e banhassem meu rosto, na esperança de que assim os pensamentos fossem embora e me deixassem com a mente vazia, ao menos, que me deixassem ilesa da dor novamente.

Eu me enganei, achei que podia substituir você com outros delírios encontrados em qualquer lugar, mas a verdade é que tardes ou noites não são capazes de mudar ou marcar uma vida, tardes e noites não substituem anos. Eles não substituem você! Eu gostaria que isso fosse capaz, mas aprendi nos últimos anos que existem certas pessoas que passam por nossas vidas e deixam uma marca tão profunda e forte, que quando vão embora, seja lá por qual motivo, não a mais ninguém no mundo que vá ocupar aquele lugarzinho cativado.

Resolvi olhar para dentro de mim, dessa vez, sendo sincera e vi que você ainda está ali, ocupando seu lugar, me fazendo perder o sono em algumas noites, me lembrando todos os dias do que é o amor, me lembrando de nós, mesmo que agora, não haja mais esse nós, somos somente eu e você, separados, distantes! Pergunto-me se você ainda pensa em mim, se sente falta de me por pra dormir, de me acordar, de dizer que me ama, e isso dói tanto, pois o meu maior medo é saber que essas coisas foram esquecidas, que não fazem a menor falta.

Então foi isso, mais uma vez eu me peguei falando de você, pensando em você, escrevendo sobre você. Afinal, é a isso que tem se resumido minha volta. Eu te peço que volte, algum dia. Esteja você onde estiver, com quem estiver. Me ponha pra dormir, me fale de amor, fale com amor. Ou suma, suma de vez, suma de mim, mas não me deixe assim, nessa vontade, medo e insegurança, isso mata, isso destrói. É vai ou fica, mas eu sei que não cabe a você decidir, a questão é que eu já sei o que é necessário fazer, só me resta encarar a situação e assumir que posso viver sem você. A verdade é que chegou a hora de por as coisas em pratos limpos, não mentir para mim, escolher o melhor a se fazer, não o que eu quero. Então você precisa ir. Vai...

2 comentários:

  1. Esse texto faz refletir nas mentiras que inventamos para nós mesmas, pq temos medo da verdade!!!
    Bjs - Suzana Rosa - www.rosachiclets.com.br

    ResponderExcluir
  2. Ótimo texto, Ana. Parabéns!

    Beijos, Romário.
    www.naomeentendamal.com.br

    ResponderExcluir