Páginas

11.5.14

(Re)descobrindo a vida sem você.


Vivi um faz de conta nas duas últimas semanas. Um faz de conta que você vai voltar, um faz de conta que você se importa, um faz de conta que você sente minha falta. Mas você não vai voltar, você não se importa, e muito menos, sentiu minha falta. Poucas vezes na vida eu me deixei enganar tanto como nesses dias, porém admito, sonhei com as nossas fugas, revivi as brincadeiras internas, fechava os olhos na esperança de receber um beijo, e, acabei percebendo que as fugas eram erradas, não vi mais graça nas brincadeira, e não senti mais vontade do seu beijo. 

Acabei percebendo que fiz a famosa "tempestade em copo d'água" e resolvi me refazer. Sai, comprei roupas novas, usei salto, bebi, me diverti e não permiti que sua lembrança viesse a minha mente. Pela primeira vez em mais de um ano fui quem eu realmente sou, falei sem me preocupar com o que você pensaria, ri de piadas bestas, fiz o que tive vontade e cheguei em casa morta, não pensei em você antes de dormir, apenas puis a cabeça no travesseiro. No outro dia senti orgulho de mim mesma, eu consegui viver um dia sem você! E o outro também. Não foi difícil perceber que nós não fazíamos mais parte da vida um do outro.

Revivi o adeus tantas e tantas vezes que já nem distinguo quem terminou. Andei mudando o caminho da volta para casa, detesto ir pela rodovia porque sei que sua casa é logo acima daquele prédio verde. Não ocupo mais o mesmo lugar na sala. Evito suas redes sociais e fiz de tudo para tirar seu nome do topo da listas dos meus "amigos" favoritos no chat no facebook. Guardei os presentes na minha caixa de lembranças, alguns dos livros eu não li, mas não sei quando conseguirei ler pelo simples fato de terem sido um presente seu. Não me permito ligar ou mandar mensagem, ah, e ver nossas fotos na pasta de nome "passado" também está proibido!

Eu preciso confessar que ainda espero pelas tulipas brancas, por uma palavra ou carta em que você demonstre sentimentos, mas elas não vão chegar até mim. Eu senti tanto a sua falta que doeu, mas em determinado ponto, percebi que você não sente a minha. Acostumei-me com sua ausência de tal maneira que não sinto mais sua falta. Abri os olhos, resolvi guardar os planos da imaginação no bolso e encarar a realidade. Engoli o choro e usei um pouco mais a razão. Não era para ter sido pelo fato claro de que você não se esforçou, mas eu te garanto, existem outros caras lá fora, e eu não vou me fechar para o amor só porque você o fez. Existe um sentimento dentro de mim que é forte e inabalável o suficiente para me dar as forças necessárias para olhar para a frente e seguir meu caminho. Esse sentimento, meu caro, é o amor próprio!

2 comentários:

  1. Uau! Adorei o texto...
    Um beijo
    ilov3books.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. "E não permiti que suas lembranças viesse a minha mente" Melhor frase <3
    Desse jeito que vamos levando a vida, deixando para trás aquela pessoa que não nos deixou ir para frente..

    Convido-te para conhecer e curtir meu blog,
    Viste o Larissa ao Avesso - Curta a fanpage do blog 

    ResponderExcluir